Análise, Taça da Liga

Expetativas mal (di)geridas

FUTEBOL - Pedro Sa, Jadson Cristiano e Pizzi, durante o jogo SL Benfica x Portimonense, para 4 Jornada da Taca da Liga 2017/18, realizado no Estadio da Luz, em Lisboa. Quarta Feira, 20 de Dezembro de 2017. (SERGIO MIGUEL SANTOS/ASF) SL BENFICA X PORTIMONENSE - TACA DA LIGA 2017/18

Complicar o que é fácil foi o que o Benfica fez ontem perante mais de 21.000 espetadores no Estádio da Luz.
Vamos começar primeiro pelas boas notícias. Desengane-se quem acha que isto terá algum impacto negativo nos próximos jogos do campeonato. Não só não vai ter, como vai fazer com que a equipa esteja mais concentrada nos próximos jogos. Com o empate de ontem, o Benfica ficou mais próximo de ganhar ao Sporting dia 3, por exemplo.
Porquê?
O que aconteceu ontem teve origem no relaxamento e consequente diminuição dos níveis de concentração da equipa. Quando Rui Vitória ao intervalo fala apenas no que deve ser feito para aumentar a vantagem para 3-0, o inconsciente dos jogadores, pela mensagem e pelo que tinha sido o jogo até então, tomaram apenas como possíveis duas hipóteses: ou conseguiam aumentar a vantagem, ou não conseguiam (o que no inconsciente significava ficar 2-0), ou seja, houve expetativas mal geridas por parte de RV e que se vieram a tornar mal digeridas pelos adeptos.
Ao começar a 2ª parte a sofrer um golo, houve uma reação de surpresa inesperada e desagradável para a qual os jogadores não estavam preparados, o que levou a que demorassem algum tempo a reagir. Quando o conseguiram fazer, Rui Vitória tratou de entregar ao Portimonense a possibilidade de empatar o jogo.
Os pecados capitais de Rui Vitória
No início da época, o Benfica começou a jogar no meio-campo com Fejsa e Pizzi. Para 80% dos jogos, esta dupla é suficiente para o Benfica controlar o meio-campo.
RV decidiu alterar para 4-3-3, tendo tido o engenho (ou sorte) de colocar, ao lado da habitual dupla, Krovinovic. Claro que este trio leva de vencida a qualquer meio-campo a atuar em Portugal e pode inclusivamente dar-se ao luxo de defensivamente não ter sempre de envolver os 3 elementos, ou seja, existem períodos de maior relaxamento principalmente dos 2 médios-centro.
Para o jogo de ontem, começámos com Samaris, que não é nenhum Fejsa. Não recupera mais de 20 bolas/jogo mas claro que o grego, para o jogo em questão, chegava e sobrava.
A 1ª parte foi toda do Benfica, com exceção de dois lances oferecidos por Lisandro López ao Portimonense, e o 2-0 era um resultado curto para o que se tinha passado em campo.
Depois da quebra de concentração que já falámos, RV coloca Keaton Parks por Samaris. Ora o norte-americano não é um Fejsa, não é um Samaris, nem sequer é um nº6… mas também não é por aí que vem mal ao mundo, porque jogar com três “oitos” frente ao Portimonense não constitui problema, como se veio a verificar pelo perigo que o Benfica criava e que o Portimonense não criava.
Aos 80 minutos RV saca da última cartada que vem aniquilar por completo a equipa do Benfica. Sai Pizzi e entra Seferovic, quando no minuto anterior Jonas tinha tido expressões físicas que indicavam um cansaço latente. Meio-campo reduzido a 2, sendo que Keaton tentava jogar a 6 e não conseguia ter sucesso. Mensagem passada para a equipa, reforçando aquela que tinha sido passada ao intervalo: temos que marcar o 3º golo, vejam lá que até me dou ao luxo de tornar a jogar com 2 avançados… e pronto…o Portimonense assume o meio-campo e consegue partir para cima do Benfica. Mais uma bola parada e o Portimonense chega ao empate – com claras responsabilidades para Svilar que fez o jogo mais intranquilo desde que chegou ao Benfica.
Agora resta rezarmos para que haja um empate entre Braga e Setúbal para que ainda estejamos na luta pela qualificação para a Final-Four. Se o Setúbal ganhar está qualificado, se o Braga ganhar, basta-lhe ganhar à segunda linha do Portimonense para jogar a Final Four em sua casa. Motivação nos píncaros para os arsenalistas que deverão ganhar facilmente os dois jogos em questão.

Perante esta quase eliminação da Taça da Liga, decidimos mesmo assim não desvendar já aquela que é para nós a pior notícia do dia. Conseguem adivinhar qual é?

9 Comments

  1. Edson Arantes do Nascimento

    Que continuamos a sonhar?

  2. Alexanderson24

    zivkovic e rafa serão vendidos?
    ou joao carvalho vai ser emprestado com clausula de compra?

  3. 12.° Jogador

    Aquele que devia ser vendido a patacos ninguém o quer?

  4. Ricardo Silva

    O Lisandro foi titular?

  5. Diogo Santos

    A pior notícia do dia seria um renovar de contrato do Rui Vitória.

  6. Não consegui ver o jogo ontem por motivos profissionais mas o que descreves não me surpreende nada. Acho até engraçado que ninguém pegue nas declarações do Vítor Oliveira quando afirma que disse aos seus jogadores que o Benfica iria quebrar devido ao desgaste acumulado nos jogos com Rio Ave (120 minutos, 30 deles a jogar com menos 1 homem) e Tondela. Não contente com isso, o treinador do Sport Lisboa e Benfica, a vencer por 2-1, entende por bem trocar Pizzi por Seferovic, deixando o meio-campo entregue e Keaton Parks e Krovinovic (com 300 minutos nas pernas em 7 dias). Vamos comentar o quê?
    Assim como dará mesmo para comentar o facto do Keaton Parks (de quem até gosto bastante) ser opção à frente do João Carvalho? Mas andamos a brincar?
    A pior notícia do dia só pode ser a saída do Rafa. Só assim se justifica não ser convocado nos últimos jogos.
    Mas não será o único, O Pêpê já foi, o JC está a caminho, o Félix joga um futebol que este tipo não entende, etc, etc, etc.
    Estou farto deste futeboleco, deste discurso redondo, de chavões parolos. Estou farto do Vitória!
    Pronto. É isto!!
    Viva o Benfica!

  7. Benfiquista Primário

    Essa da pior notícia do dia é fácil: é que o Mister Fezadas hoje de manhã acordou e foi trabalhar com toda a determinação.

  8. FelizBoss Mangolóide

    1. “Com o empate de ontem, o Benfica ficou mais próximo de ganhar ao Sporting dia 3”. Estou de acordo. Mas não garante nada.
    2. “teve origem no relaxamento e consequente diminuição dos níveis de concentração da equipa”.
    Não concordo com o relaxamento. Houve vontade. Teve origem no cansaço acumulado, o qual provoca automaticamente uma diminuição de concentração. Com isso a dinâmica ressentiu-se.
    3. Os clubes + pequenos estão cada vez melhores, têm cada vez melhores jogadores, a diferença entre os jogadores é cada vez menor porque os processos de treino são cada vez mais conhecidos. As vantagens competitivas existentes nos clubes maiores estão a atenuar-se exigindo uma maior concentração, capacidades física e técnica dos jogadores que competem em equipas maiores.
    4. O mesmo aplica-se aos treinadores e equipas técnicas.
    A exigência competitiva está a passar para patamares superiores.
    Observamos isso todos os dias em todos os países.
    O futebol está a mudar, alguns factores de sucesso serão diferentes e irão complementar-se.
    LFV já viu isso e está a fazer o que é correcto. Na minha opinião. Tempo e paciência.

  9. Quem

    Lesão do Grimaldo

Deixar uma resposta

Theme by Anders Norén

%d bloggers like this: