Como muda a competição, temos desculpa para mudarmos alguns jogadores sem ferir a suscetibilidade daqueles que jogaram e tão brilhantemente ganharam ao Estoril.
Por essa razão, e porque o jogo será de certeza bastante complicado, como já previmos ontem, optaríamos por:
Svilar na baliza porque continuamos a achar o belga superior a Varela.
Almeida, Luisão, Jardel e Grimaldo porque não há melhores disponíveis.
No meio campo, Fejsa, Krovinovic e João Carvalho. Porque Pizzi está a jogar mal que dói e enquanto não conseguirem curar a gripe de falta de futebol que o transmontano está a atravessar, não vale a pena estar a colocá-lo a jogar. E João Carvalho joga que dói (vê-lo no banco claro…). O que aconteceu frente ao Estoril é que não pode acontecer outra vez, porque senão em vez de ser só dói (o que sentimos), passará a ser um dói-dói (que fazemos…).
Na direita Zivkovic para se redimir da asneira que fez no Dragão, na esquerda Diogo Gonçalves porque parece que Rafa tornou a não contar para Rui Vitória e na frente Jonas porque os Messi’s têm que jogar sempre. É para isso que a malta paga bilhete. Porque queremos inteligência e critério em tudo o que fazemos, seria este o nosso 11.
Ordens para privilegiar o corredor central e utilizar apenas os corredores laterais para abrir espaços no meio. E não o contrário… critério, critério, critério.
Defensivamente, cuidado com o espaço que fica entre meio-campo e defesa caso subamos as linhas para fazer pressão alta – no nosso entender ainda não temos o nível de maturidade tática suficiente para pressionar a equipa do Rio Ave de forma equilibrada… recuar as linhas e jogar na expetativa à procura de explorar o espaço que fica no meio-campo do Rio seria a opção mais razoável em organização defensiva.

Qual seria o vosso 11 e plano de jogo?