Análise

A morte do 4-4-2 e como defender pior em 4-3-3

Ao termos um jogo em casa contra o último classificado e Rui Vitória ter optado pelo 4-3-3 em vez do 4-4-2, podemos declarar o óbito do já longínquo 4-4-2. Este passará a servir apenas como plano de recurso, caso o Benfica necessite de atacar mais.
Achamos que é fácil ser aceite a associação de que o 4-4-2 é uma tática mais atacante e o 4-3-3 uma tática mais defensiva. Isso é facilmente visível em organização defensiva, onde o 4-3-3 se transforma num 4-1-4-1 e o 4-4-2 se mantém como é.
Porém, neste tempo inicial, há adaptações que têm que acontecer até que a tática fique afinada. Quanto a mim, são muito poucas e já deveriam ter acontecido mais rapidamente, no entanto, tal não se está a verificar e o 4-3-3 apresenta atualmente mais debilidades defensivas do que as rotinas que o Benfica já possuía em 4-4-2.
Tal como falámos aqui, tanto Pizzi como Krovinovic não tiveram muita vontade de defender no último jogo e isso fez com que o Benfica não tivesse meio-campo para além de Fejsa. Claro que o simples facto de acharem que se fosse preciso marcar 10 golos ao Estoril conseguiríamos fazê-lo poderá ter levado a uma descompressão no momento defensivo dos dois médios. Esperemos que assim seja, pois se a atitude dos dois médios for minimamente semelhante no jogo de amanhã frente ao Rio Ave, então o adeus à Taça de Portugal será uma realidade demasiado dura após uma eliminação vergonhosa da Champions e antes de um conjunto de 4 jogos (2 campeonato e 2 taça da Liga) que poderão definir negativamente o futuro desta época.
Estamos em crer que a equipa tem noção do valor do Rio Ave e de que a continuidade na Taça de Portugal é uma exigência de todos os adeptos, razão pela qual entrará bastante concentrada no jogo e limpará a má imagem deixada no último jogo frente ao Estoril.
O segredo do jogo estará no meio-campo, onde Francisco Geraldes e especialmente  Rúben Ribeiro comandam todo o jogo dos vila-condenses. Rúben Ribeiro aliás, por aquilo que tem mostrado, não teria muitas dificuldades em ser titular do atual meio-campo do Sport Lisboa e Benfica. E não estamos a desprestigiar o meio-campo do Benfica, estamos apenas a lembrar-mo-nos do chocolate que Rúben deu em Pizzi no jogo para o campeonato…

Faz sentido ter abdicado do 4-4-2?

Como será o jogo em Vila do Conde?

1 Comment

  1. sistemas ? ou jogadores ? ou treinador? achei a contratação de Rui Vitória o melhor para o SLB no presente já tenho dúvidas ,e porquê ? as conferencias de imprensa já não estão em”estado real” pois aquilo que eu vejo no campo é uma coisa .o que diz o treinador é outra, vejo uma equipa desmotivada (nem todos) demasiado convencidos que basta jogar 20 minutos ,e depois passe para trás e para o lado ,(o treinador diz que a posse de bola…) vejo dois ou três jogadores com muito pouca vontade de correr (corre tu que és mais novo) vejo Jonas a ser desperdiçado naquilo que ele é melhor ,jogando com um fixo (Mitro) actualmente não temos nenhum e estão 3 ou 4 jogadores desmotivados porque sabem que amanhã vão para a bancada, afinal quem é responsável? pelos vistos ninguém ,pois segundo o presidente e os amigos ,e o treinador está tudo bém ,daqui para a frente é que vai ser,SERÁ?

Deixar uma resposta

Theme by Anders Norén

%d bloggers like this: