Tentando responder às perguntas aqui colocadas, pois pelos vistos ainda não fui claro, desta vez com algumas imagens.
O FCP não mudou nada! A organização defensiva esteve sempre em 4-4-2, tanto antes dos 30′ como depois… simplesmente o Benfica depois dos 30 não saía a jogar como na imagem em baixo…
4-4-2FCP-18min.PNG
O Benfica não baixou a defesa porque quis, apenas quando a situação de jogo o obrigava.
defesa alta e lateral do lado contrário a fechar por dentro.PNG
Agora quando perguntam porque é que o Benfica mudou, essa pergunta tem que ser feita ao Rui Vitória ou ao Varela. Pelo FCP não foi! Talvez tenham ficado assustados com os esticões que o FCP estava a colocar no jogo, não sei…
O que eu sei é que não adiantava estarmos a ir aos duelos aéreos como íamos (Jonas vs Filipe por ex). Se a estratégia era bater na frente e já não tínhamos o que precisávamos para isso, como explicámos aqui, então poderíamos ter adotado uma estratégia de tentar ganhar as segundas bolas, abdicando mesmo de ir aos duelos aéreos – partindo do princípio que as bolas não conseguem ser paradas na cabeça, podíamos ter optado por não discutir a bola no ar, e tratar de posicionar os nossos jogadores ao redor da mesma para ganhar a 2ª bola.
Mas claro que o melhor teria sido sair a jogar, até porque, se nós temos jogadores com limitações no sair a jogar, a dupla de centrais do FCP também não prima pelo brilhantismo, sendo que do meio-campo para a frente a vantagem é do Benfica em 5 dos 6 jogadores (Brahimi é de facto muito bom na relação com a bola).
A entrada de Otávio mudou efetivamente alguma coisa, mas esta aconteceu aos 59 minutos. A entrada de Samaris acabou por ser bastante positiva porque tornámos a jogar com 10 (estávamos a jogar com 9 nessa altura).